Residência CAPACETE + Mophradat

 

 

Convite aberto: uma residência artística três meses no CAPACETE Rio de Janeiro, Brasil

a partir de 1 de abril até 30 de junho de 2019
Último prazo para o progresso: 14 de setembro

Mophradat em colaboração com Capacete no Rio de Janeiro, #Brasil, está oferecendo uma oportunidade de residência para um curador do mundo árabe para desenvolver a sua prática em um contexto profissional. A residência dura por três meses, com voos, alojamento, visto e custos de seguro, e salário mensal fornecido, e inclui a oportunidade de participar de todos os programas e facilidades de um programa sugerido de visitas a galerias e SITES DE INTERESSE NO RIO DE JANEIRO , assim como para conhecer os praticantes de artes na cena de arte brasileira. Mais detalhes e para aplicar:  http://mophradat.org/projects-we-organize/residencies/apply/

 


‘Experiencing Connection Issues’ Capacete Atenas, 2017

O que significa deslocar uma aprendizagem experimental, coletiva, de um continente para outro – especificamente a partir do hemisfério sul para o Sul do Norte?

Como tal iniciativa engaja-se em um novo contexto local, tendo em conta a complexidade e heterogeneidade destas comunidades, de suas histórias e dinâmicas socioculturais? Se, em alguma medida, a Grécia Antiga era e ainda é utilizada como matéria-prima para moldar a imaginação da modernidade ocidental, o que pode oferecer a Grécia contemporânea ao desmantelamento do colonialismo e do capitalismo neoliberal, especulativo e financeiro?

De março a dezembro de 2017, o Capacete desdobrou sua programação em Atenas – e parte em Kassel – no contexto da documenta 14 e em programas e atividades culturais da cidade.

Passamos boa parte do nosso tempo em Atenas tentando entender quais as cláusulas ocultas destas premissas, nos perguntando ‘quem recebe e quem é recebido’, por quê e para quem falamos, onde acaba o projeto e onde começam nossas vidas.

A publicação ‘Experiencing Connection Issues’ [Experimentando Falhas de Conexão] é um dos resultados  do programa Capacete Atenas 2017.

Autores: Sol Prado (Argentina), Raúl Hott (Chile), Fabiana Faleiros (Brasil), Michelle Mattiuzzi (Brasil), Gris García (México), Eliana Otta (Perú), Jarí Malta (Uruguay), Nikos Doulos (Grecia), Rodrigo Andreolli (Brasil), Vasiliki Sifostratoudaki (Grécia), Gian Spina (Brasil), Despina Sevasti (Grécia), Marina Miliou (Grécia), Fotini Gouseti (Grécia), Yara Haskiel (Alemanha), Franco Castignani (Argentina), Alkisti Efthymiou (Grécia), Susanna Brown (Canadá)

BAIXE AQUI!

 


PROGRAMA CAPACETE 2019

 

 

O presente edital abre chamada para a seleção de 10 participantes para o programa CAPACETE 2019, com duração de 10 meses, de março a dezembro de 2019

A ficha de inscrição deverá ser enviada para o e-mail: opencall@capacete.org. O formulário de inscrição no programa poderá ser encontrado em nosso site abaixo. Junto a ficha de inscrição o candidato também deverá enviar currículo resumido e portfólio.

Data limite de inscrição e envio do material:  10 de junho de 2018.

A inscrição no programa é gratuita.

 

 

Download (PDF, 115KB)

Download (PDF, 85KB)

 


WCW-nine

 

 

WCW-nine

uma exposição coletiva
em um quarto de hotel

Abertura: 17 de Março, 17h
Exposição: 18 a 22 de Março,
das 10h às 19h

Hotel Ipanema Inn,

Charlotte Arnhold, Oliver Bulas, Vivian Caccuri, Loretta Fahrenholz, Jeanne Faust, Julia Horstmann, Daniela Mattos, Michaela Melián, Mariana Meneguetti, coletivo de artistas OPAVIVARÁ!i, coletivo de artistas Jochen Schmith, Caroline Valansi, Aleta Valente, Andrea Winkler
—————

Eventos:

17 de Março, 17h No quarto:
Performance por Aleta Valente
Performance “Oferenda (La Libertad)” por Daniela Mattos
18h:
Performance “MAKING HISTORY SERIES – PT 1” Por Charlotte Arnhold

na praia:
Happening por OPAVIVARÁ!i

18 de Março, 17h No quarto:
Performance “Dissimulado” por Vivian Caccuri
apresentação “Luna Park” por Michaela Melián
18H:
Performance: “MAKING HISTORY SERIES – PT 2” Por Charlotte Arnhold

21 de Março, 17h No quarto:
apresentação do video “Implosion” por Loretta Fahrenholz

Parceiros:
Capacete, Institut für Auslandsbeziehungen, Goethe Institut Rio de Janeiro


FúriA DissidentE

A utilização do pornô com intenções políticas e libertárias CONTRA a indústria massacrante da pornografia normativa e do patriarcado branco cismagroheteronormativo, que extermina como em matadouros azougues xs corpos marginalizades.

Este é um chamado a revolta e insurreição transfeminista!
A residente Bruna Kury convida performers com suas corpas desobedientes que fazem e pensam em pós-pornô sudaka para o Capacete. A artista que breve em sua residência vai experimentar e trocar com sua proposta de “OFICINA DE VÔMITO” e com o conceito de “PORNORECICLE” convida para esse primeiro encontro para que possamos começar a pensar em interseccionalizações e anarcxtransfeminismo. DIY!

COM:
Bruna Kury (Brasil)
Walla Capelobo (Brasil)
Igor Gonçalves (Brasil)
Constanza Castillo-Missogina (Chile)
PachaQueer (Equador)
Paulx Castello (Brasil-Argentina)
Promískua (Transfronteiriça)
Mucha_chx (Andina)
Ventura Profana (Brasil)
Rodrigo Alcântara (Brasil)
Zene Gatynha (Brasil)
****sem fronteiras!****

XXX
*O projeto PORNOPIRATA foi criado para ser fonte de renda e autonomia na marginalidade; popularização da PÓS-PORNO e afronta a heteronormatividade compulsória, a idéia é participar de eventos e feiras principalmente na rua (durante a residência haverá intervenções camelô banquinha no Saara) para mostrar que outro pornô é possível e muitas vezes nossos tesões estão condicionados. Sexorcismos, pornoterrorismo, pós pornografia, glitterrorismo, sexualidades dissidentes, corpas não assimiláveis e marginalizadxs e oprimidxs, corpxs gordxs, travestis, ditas doentes, doentes, cyborgs, kuirs, sudakas, negrxs, indigenxs, trans, intersexs, com diversidades funcionais, ditas sujas, sujas, antiheterokapital.
O projeto é distribuído e pirateado pela Bruna Kury.

XXX
Mostra póspornô gordx e conversa sobre – por Missogina
Mostra de material recompilado sobre pós-pornô gordx, com o objetivo de visibilizar os corpos gordos como corporalidades sexuais, os distintos tipos de corpos gordos (sudakas, negrxs, trans, com diversidade funcional, etc.), o espaço que ocupam no ativismo pornô e a experiência de colocar o corpo gordo no sexo. quais corpos podem fazer pósporno? Um corpo gordo pode ser um corpo pósporno?

XXX
Despacho decolonial

O silêncio gera o ruído que convoca o rito e transforma a fala em vômito. Pelo rabisco a escrita rompe o silenciamento gerando queima da colonialidade existente na porosidade da pele. Entre os ruídos e sussurros uma corpa circunscreve os delírios dos sonhos ancestrais. Regurgita e explode de revolta.
Sobre subjetividade não capitalizada, sobre corpos não decifrados pelo falo-capitalismo.
Consumida pelo fogo, sacia o desejo do estômago enterrando a fantasia de nacionalidade.
Zene Gatynha

XXX
Performance: Caixão e vela preta

Transformação por meio da perfuração. Rito de expurgação dos agressores por meio de conhecimento intuitivo e instintivo e composição de afetos e prazeres. Um convite a criação de um corpo e obtenção da autonomia desse corpo.
Walla Capelobo, Rastricinha, Gatynha.

XXX

O primeiro cordel do Coletivo Xica Manicongo intitulado “Sertransneja” estará exposto junto aos novos trabalhos de cordel “Manifesto Traveco-terrorista”, de Tertuliana Lustosa, com capa Giorgia Narciso e com o lançamento do “Cordel Pornô”, de Tertuliana Lustosa tambem com fotografias de Mayara Velozo

XXX
Comidinhas délyz por La Gorda Vegana –https://www.facebook.com/lagordavegananomada/

 

 

 

 

 

 

 


MaMa Café

 

 

O Mama Café é um jardim de infância gratuito para crianças e adultos. Um espaço ocupado por todos nós com possibilidade de comer, beber e brincar com obra de arte. Um espaço comum de puericultura onde podemos conversar abertamente sobre escola, desescola, relações familiares, sociais e ecológicas. Amamentar tudo!

Nessa edição nosso convidado será Bruno Damião que é Mestrando em Estudos contemporâneos da Arte (UFF). Licenciado em Dança pela UFRJ. Atua como dançarino do grupo de pesquisa de Ritmos e Danças Batakerê – SP. Atuou como intérprete criador no Núcleo Luz do Programa Fábricas de Cultura em São Paulo. Foi Proponente e Diretor do Projeto/espetáculo “História sem Fim” do Programa VAI da SMC/SP. Participou do Festival Panorama como estagiário e como mediador de espetáculos nas edições 2014 e 2015 respectivamente. Codirigiu o espetáculo EncenAÇÃO do Colégio de Aplicação da UFRJ – Cap, em 2016.
Atualmente mantém-se pesquisador em dança contemporânea e Professor de Consciência Corporal na Escola Livre de Dança da Maré.
______________________________________________________________

A ideia do curso é construir um dia de dança que circule por 2 distintas estéticas de dança.

Momento 1. Tríade cantar+dançar+percutir.

A intenção será vivenciar a combinação destas ações de maneira artística, lúdica, convidando à brincadeira de dança todos envolvidos – nós – dos tempos atuais, em que o corpo é mobilizado por uma vasta aparelhagem tecnológica, (quase não executando mais movimentos básicos do corpo) ou nem mesmo brincando, dançando, onde corpo é o centro do movimento.

Momento 2. Stiletto – O corpo e o salto alto.
Uma oficina de Stiletto, onde será trabalhado as habilidades motoras sobre o salto alto, e como se pode a partir deste objeto criarmos novas corporeidades. Será visto ainda as proposições que marcam essa estilística; características tais: relação música e dançarino, (diferentes andamentos) sensualidade, força, alongamento, etc.

>>> Os dois momentos terão em seu início uma preparação física adequado à atividade.

 

 

 




The Cooperativist Society Tools for a Cooperative Ecosystem: Circular Economy in Practice

 

Public Programs, Friday and Saturday, March 17 and 18, 2017

The Cooperativist Society
Tools for a Cooperative Ecosystem: Circular Economy in Practice
Workshops, Talks, and Discussion
Athens School of Fine Arts, Giorgio De Chirico Amphitheater, 256 Pireos Street
The ideas of a circular economy and a fair ecosystem (economy and ecology) are concerned with building a new type of world, connecting and establishing a network of self-employed people, collectives, and committed individuals, beyond borders and nations through structures like FreedomCoop and digital crypto-currencies like FairCoin. The goal is to replace the present profit-oriented economic system with one centered around fairness, ideas of cooperation, and environmental sustainability. The aim of the event hosted by the Cooperativist Society is to raise awareness, share knowledge, and spread information concerning the use of FairCoin and other aspects of the circular economy’s network structures, as well as to help establish and strengthen local initiatives, incubating new cooperative projects and sharing new potential ideas.

It is, after all, necessary to move past rhetoric and build practical and viable alternatives to today’s financial establishment. In the specific case of Greece and the political issues concerning the threat of a so-called Grexit, any radical movement will have to think very seriously about economic alternatives to the Euro, and, more broadly, to present concrete and coherent choices instead of the austerity-driven, export-dominated, and ecologically unsustainable course of the “official” Greek economy. If leaving the eurozone implies total economic chaos and dislocation, it is clear that, for lack of an alternative, Greece will be trapped in the vicious cycle of further austerity. Ultimately, the brakes will be put on any form of serious social resistance. Solving this difficulty implies thinking about different currencies instead of relying on the Euro, ways of living and thinking that are different from the consumerism of the establishment, and progressing in the social direction advocated by cooperative ecosystems like FairCoop.

The two days of events will focus on practice, on learning to build your cooperative project, on meeting and collaborating with others with the same interests, on learning how to use FairCoin as a digital currency for a fair economy, and on creating a process within which a circular economy in Athens and beyond could become a reality.

You are welcome!

Program

Friday March 17, 2017
4–9 pm

4–4:55 pm
Introduction to the concept of circular economies

5–6:55 pm
Open cooperation tools: members of the Open Collaborative Platform (OCP) showcase projects and speak about economic management within an ecosystem
Cooperative incubator: open space to share ideas for cooperative projects (artist cooperatives, Fairbnb, and more)

7:10—9 pm
Cooperative incubator: legal coop framework in Greece
FreedomCoop: general introduction

Circular economy
FairCoin: Wallet Party. Bring your phone or your laptop (the event will be repeated on Saturday)

Saturday March 18, 2017
11 am–8 pm

11 am–12:45 pm
Circular economy mapping: add your project to the map

11 am–3 pm
Cooperative incubator: open development meetings for selected projects

1–3 pm
FairCoin: Wallet Party. Bring your phone or your laptop

4–5:45 pm
Open cooperation tools: OCP (Open Collaborative Platform), learn to configure your project
Circular economy: Fairpay cards and POS workshop

6 pm
Cooperative incubator and circular economy: plenary, conclusions, synergies, and planning of follow up meetings


News

More info:

http://us6.campaign-archive2.com/?u=a8356c53eafe14c1acc1e7c7b&id=88cb76cc07&e=9e3b3f5d69

Drinking while walking while hosting while thinking while making together is the leitmotiv of BAR project, who takes its name from the popular and social gathering place in south European culture in order to recontextualize it and be able to work and practice (reflection-in-action) in a flexible, informal and critical way. This working condition and status goes beyond the bar extending curatorial practice into working on public realm and takes the city of Barcelona as a public project space. continues
The BAR International Symposium “Making Public Program” consist in an intensive week of working groups, roundtables, actions, My studio visit, Walking tour, performances and drinks to celebrate BAR project 2013-2017 Public Program and reflect on the past, present and future of what public programing means. A number of guest practitioners will spend a whole week in Barcelona in order to discuss and perform together on the topic; the output of that brainwork will be made public and opened to the participants of the symposium and to a larger public through the various activities building the symposium. continues

SYMPOSIUM PROGRAM
Registration until the 15th of March 2017

20th March
10am-1pm The Walking tour (Raval&Poble sec area), working groups (closed, Fabra i Coats)
4-6,30pm “Making Public Program” round table, Auditorium, Fundació Antoni Tàpies
Emily Pethick (Showroom, London)
Pablo Martínez (MACBA, Barcelona)
Santiago Villanueva (Mamba, Buenos Aires)
Valerio Del Baglivo (curator, Rome)
              Florencia Portacarrero (curator, Lima) presents Manifestaciones Públicas de Afecto, publication residency BAR project 2016
7pm onwards Intervention by Enea Cabanes (BAR TOOL#0)
BAR Welcome vermouth

21th March
10am-1pm The Walking tour (Eixample area), working groups (closed, Fabra i Coats)
4-6,30pm “Making Public Program” round table, Auditorium, Fundació Antoni Tàpies
               Jaeyong Park (Apap5, Anyang- South Korea)
               Karima Boudou (Appartement22, Rabat)
               Equipo Palomar (artists, Barcelona)
               Daisuke Koisugi & Ina Hagen (artist & founder of Louise Dany artist run space, Oslo)
7pm onwards Intervention by Julia Gorostidi (BAR TOOL#0)

22th March
10am-1pm The Walking tour (Hospitalet area), working groups (closed, Fabra i Coats)
4-6,30 pm “Making Public Program” round table, Auditorium, Fundació Antoni Tàpies
                 Leire Vergara (Bulegoa, Bilbao)
                 Daniel Blanga-Gubbay (Aleppo, Brussels)
                 Helmut Batista (Capacete, Rio de Janeiro)
                 Veronica Valentini, Andrea Rodriguez Novoa, Juan Canela (BAR project, Barcelona)
7pm onwards Interventions by Ibai Hernandorena and Tali Serruya (BAR TOOL#0)

23th March
11am-1pm My Studio Visit. The city as studio: “Estruch 24-26, 3° 1ª” by Equipo Palomar (artists, Barcelona)
5-11,30pm Fundació Antoni Tàpies:
5-6pm Workshop for Humans by Kroot Juurak & Alex Bailey (performers, Wien) – separate registration at kulturtier@gmail.com
7-9pm BAR Public talk “Making Public Program”, Auditorium – open to general public
With Santiago Villanueva (Mamba, Buenos Aires), Valerio Del Baglivo (curator, Rome), Jaeyong Park (Apap5, Anyang- South Korea), Daniel Blanga-Gubbay (Aleppo, Brussels), Karima Boudou (Appartement22, Rabat), Leire Vergara (Bulegoa, Bilbao), Helmut Batista (Capacete, Rio de Janeiro), Veronica Valentini, Andrea Rodriguez Novoa, Juan Canela (BAR project) and Carles Guerra (Tapies Foundation)
9-11,30pm BAR party, live show by Josep Maynou (artist, Barcelona), terrace – open to general public

24th March
Studio visits with local artists

* (in ancient Greece, the symposium meant “to drink together”)
Gif by Priscila Clementti
NB: the program might be subject to changes

Full text here
In collaboration with Fundació Antoni Tàpies