Arte-veículo: intervenções artísticas na mídia de massa brasileira

QUARTA 8 JUNHO 2016 – 19hs

Marcia X_Antenas da Raça
Arte-veículo propõe uma reflexão sobre o uso da imprensa como esfera pública para a arte. Em tempos de desmonte dos veículos de comunicação, e consequentemente, de diminuição das iniciativas experimentais dentro deles, se objetivou reunir relatos e documentos que sejam capazes de deflagrar o reencontro das gerações presentes com diversos modos de ocupação midiática.
Entre o advento da televisão, que chega ao Brasil em 1950 –no mesmo ímpeto de cosmopolitização que resultaria na abertura da Bienal de São Paulo, no ano seguinte–, e a popularização da internet, que dá acesso a uma discussão sobre “mídia tática” no país, no fim dos anos 1990, são inúmeros os casos de ocupação dos espaços de jornais, revistas, emissoras de radio e TV pelos artistas, para fins de deturpação de suas linguagens e problematizacão das narrativas que constróem para o status quo.

Das colunas de Flávio de Carvalho no Diário de São Paulo à reforma gráfica do Jornal do Brasil por Amílcar de Castro e Reynaldo Jardim; da arte-classificada da Equipe Bruscky Santiago às Inserções em Jornais de Cildo Meireles; da video-dança de Analívia Cordeiro ao quadro de entrevistas de Glauber Rocha dentro do Programa Abertura, tão inspirador para produtoras como TV Tudo, Olhar Eletrônico e TV Viva; da atuação anárquica de Geraldo Anhaia de Mello na rádio e na TV aos semanários de Lenora de Barros e Luiz Baravelli; dos fakes de Yuri Firmeza como “artista invasor” à invasão real da militância de coletivos como Frente 3 de fevereiro e Contrafilé na cobertura esportiva e de vida urbana.

Longe de esgotar um mapeamento completo desses casos nas diferentes regiões do país, mas, antes disso, tentanto estabelecer casos paradigmáticos e articular suas leituras a dados de contextos que extrapolam os limites entre arte, imprensa e sociedade, o livro contém um levantamento documental e cinco ensaios inéditos, baseados em recortes de tempo que as intervenções e suas estratégias em comum sugerem.

Fala seguida de conversa com Ana Maria Maia (autora), Giseli Vasconcelos (mídia tática brasil) e Antonio Manuel (artista)